sábado, 30 de abril de 2011

A MAIOR PROVA DE TODAS

“Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o SENHOR fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas.” (Êxodo 14:21)
Diante dos israelitas estava um caminho que os levaria à segurança. Neste momento crucial, Deus queria que Seu povo olhasse aquela parede de águas e acreditasse que Ele iria segurá-la até que eles chegassem em segurança ao outro lado. De forma simples, Deus queria que Seu povo tivesse uma fé que declarasse: “Aquele que iniciou esse milagre para nós irá terminá-lo. Ele já nos provou que é fiel”.
“Ao olharmos para trás, vemos que todos os nossos temores eram infundados. Não deveríamos ter tido medo quando vimos os egípcios se aproximando. Deus colocou uma muralha sobrenatural de escuridão para nos proteger deles, e não deveríamos ter temido suas ameaças durante a noite. O tempo todo, Deus nos deu uma luz que nos iluminava enquanto nossos inimigos estavam cegos pela escuridão. Nós também desperdiçamos temores com aqueles ventos impetuosos enquanto o tempo todo Deus estava usando-os para criar nossa rota de fuga.”
“Vemos agora que Deus deseja apenas nos fazer bem. Temos visto Seu poder e glória em nosso favor. E agora estamos determinados a não mais viver em temor. Não importa para nós se as paredes de água desabarem. Vivamos ou morramos, somos do Senhor.”
Havia uma razão porque Deus queria este tipo de fé para Israel neste momento. Eles estavam prestes a enfrentar uma jornada através do deserto. Eles suportariam privações, perigo e sofrimento. Então Ele disse: “Quero que Meu povo saiba que o farei somente bem. Não quero que tenham medo de morrer toda vez que enfrentam o perigo. Quero um povo que não tem medo da morte porque sabe que Eu sou confiável em todas as coisas”.
Um verdadeiro adorador não é alguém que dança quando a vitória está ganha. Não é a pessoa que canta louvores a Deus uma vez que o inimigo tenha sido derrotado. Isso é o que os israelitas fizeram. Quando Deus abriu o Mar Vermelho e eles chegaram ao outro lado, cantaram e dançaram, louvaram a Deus e exaltaram Sua grandeza. No entanto, três dias depois, este mesmo povo murmurava amargamente contra Deus em Mara. Estes não eram adoradores – eles eram resmungões.
Um verdadeiro adorador é aquele que aprendeu a confiar em Deus na tempestade. A adoração dessa pessoa não está apenas nas palavras mas em seu modo de vida. Seu mundo está em repouso, em todos os momentos, pois sua confiança na fidelidade de Deus é inabalável. Não tem medo do futuro porque não tem mais medo da morte.
Gwen e eu vimos este tipo de fé inabalável em nossa neta Tiffany de doze anos. Sentados na beira de sua cama em seus dias finais, observamos nela uma paz que excedeu todo nosso entendimento. Ela me disse: “Vovô, quero ir para casa. Eu vi Jesus, e Ele me disse que quer que eu esteja lá. Eu só não quero mais ficar aqui”. Tiffany havia perdido todo medo da morte e da privação.
Este é o repouso que Deus quer para Seu povo. É uma confiança que declara, como Paulo, e como Tiffany: “Vivo ou morto, sou do Senhor”. Isso é o que faz um verdadeiro adorador.
Eu oro para que todos os que lerem esta mensagem possam dizer em meio à tempestade: “Sim, a economia pode entrar em colapso. Sim, eu ainda posso estar diante de uma noite escura e tempestuosa. Mas Deus provou ser fiel a mim. Não importa o que vier, eu irei descansar em Seu amor”.
Postar um comentário